Dietas restritivas X Dieta equilibrada

Dietas
Dietas tem sido frequente entre as mulheres do mundo todo  na  busca pelo corpo magro.As dietas muito restritas tem feito parte da rotina de muitas mulheres.

Segundo pesquisadores mais de 70% das mulheres com menos de 21 anos se sentem suficientemente gordas, a ponto de fazerem dieta, embora apenas 15% tenham realmente sobrepeso”.

Contudo, apesar de a indústria da moda incentivar a magreza, não se pode considerá-la como responsável por síndromes que habitam nossa mente e se refletem nos corpos.

Entretanto, é evidente que foi atribuído ao peso corporal um significado especial que tem levado as mulheres a uma obsessão pelo emagrecimento, e cerca de 90% delas fazem dieta em algum momento da vida.

Dietas restritivas

Dieta Restrita
Dietas restritas em quantidade de calorias, isenção de grupos alimentares como carboidratos, é comum entre adolescentes e jovens mulheres que desejam perder peso, acontece que esses tipos de dietas tem levado ao desencadeamento de transtornos alimentares .Os mesmos podem acarretar prejuízos biológicos e psicológicos, aumentando os riscos de morbidade e mortalidade.

Afinal. os principais transtornos alimentares são a anorexia nervosa, bulimia nervosa e o transtorno da compulsão alimentar. Tendo em vista a crescente preocupação com a imagem corporal

Portanto, as  restrições alimentares acabam desorganizando o metabolismo de quem aderi, pois seu corpo vai entender essa falta de nutrientes como uma ameaça.

Essas restrições alimentares enfim,  desregulam o controle da fome e da saciedade, levando à supervalorização da comida. Como consequência, o indivíduo perde a percepção dos sinais de fome, apetite e saciedade, o que gera o descontrole com a comida.

Ganho de peso é mantido com dietas restritivas?

Estudos mostram a que com essas dietas perde-se muito peso, mas no longo prazo a pessoa acaba engordando novamente, pois há mudanças significativas no metabolismo energético quando o indivíduo se submete a uma dieta restritiva e o fator genético não será capaz de impedir o ciclo do reganho de peso.

Nesse sentido, é possível considerar que a manutenção do peso perdido é o maior problema quando se impõe o tratamento convencional para a obesidade, que abrange apenas a questão do peso e a prática de dietas. E a epidemia global de obesidade retrata exatamente o seu fracasso.

Ressalta-se que é preciso ampliar esse tratamento, aliando aspectos fisiológicos, genéticos, psicológicos e biológicos.

Afinal das contas, esses profissionais podem contribuir para uma boa aceitação alimentar.

E como deve ser composta uma refeição para ser considerada equilibrada?

A verdadeira alimentação equilibrada deve ser composta por alimentos de todos os grupos alimentares essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo.

E você sabe o que deve compor uma refeição completa?

.Para ser considerada uma refeição completa, ela deve ser composta por 1 alimento de cada grupo alimentar:

  • Tubérculo: batata, mandioca, cará, inhame, mandioquinha, beterraba.
  • Cereal: arroz, aveia, quinoa, trigo etc
  • Leguminosa: lentilha, ervilha, feijão, grão de bico
  • Proteína: carne, frango, peixe, ovo, soja.
  • Verdura: couve mateiga,brocolis, espinafre, agriao, rúcula, etc.
  • Legumes: abobrinha, cenoura, chuchu, berinjela, abóbora, etc.

E não podemos esquecer das frutas, ricas em vitaminas, minerais e nutrientes protetores aos nosso organismo!

Os temperos devem ser os mais naturais possíveis como, salsinha, cebolinha, alho, cebola, orégano, manjericão etc.

Desta forma você oferecerá ao seu organismo todos os nutrientes necessários para o seu bom funcionamento.

Uma alimentação balanceada, completa sem exclusão de nenhum grupo alimentar, contribui para prevenção de doenças!

Além da alimentação ser equilibrada, é necessário um equilíbrio no comportamento perante ao alimento, desta forma o controle e manutenção de peso fica ainda mais eficaz.

Fonte:

https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/13491/1/21605175.pdf

ALVARENGA, M.; FIGUEIREDO, M.; TIMERMAN, F.; ANTONACCIO, C. Nutrição
Comportamental. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2019.

https://scholar.google.com.br/scholar?q=dietas+restritivas+artigos+cientificos&hl=pt-BR&as_sdt=0&as_vis=1&oi=scholart#d=gs_qabs&u=%23p%3DThrGlCyX6RAJ

WhatsApp chat